Prótese Múltipla Parafusada

Prof. Dr. Ricardo da Costa e Prof. Dr. Roberto da Costa
Prof. Dr. Ricardo da Costa e Prof. Dr. Roberto da Costa

Introdução:

O implante osseointegrável oferece a possibilidade de reabilitação protética do sistema estomatognático, permitindo o restabelecimento da função, estética e fonética adequadas, além de devolver ao paciente sua auto-estima. Quando se pensa na reabilitação bucal com implantes, um aspecto marcante que não poderá ser esquecido pelo profissional é que a sua posição é imutável e uma posição desfavorável pode impossibilitar o tratamento reabilitador1.

Guias cirúrgicas são ferramentas amplamente utilizadas no planejamento e na instalação de implantes dentários. Choi, Romberg e Driscol (2004), comentam que a fabricação de uma guia cirúrgica apropriada é crítica para o sucesso de restaurações com implantes. As guias prototipadas são produzidas a partir das imagens dicom da tomografia computadorizada, tanto para cirurgias abertas como para cirurgias sem retalho.

Viegas (2008) observando as variações do posicionamento dos implantes no planejamento virtual e no obtido em cirurgia sobre o protótipo biomédico, reforça a confiabilidade da utilização da técnica de cirurgia guiada em implantodontia.

Simples à primeira vista, o modo de fixação de uma restauração sobre o implante dentário pode se tornar uma das decisões mais complicadas no dia a dia clínico. Diante do dilema entre cimentar ou parafusar a prótese, é natural que o profissional se questione sobre os prós e contras de cada técnica. Esta escolha é influenciada, inicialmente, pelo posicionamento tridimensional do implante, pela região onde o implante está localizado e pelo tipo de prótese (unitária, parcial ou total) a ser realizada4.

A possibilidade de personalização dos componentes Arcsys, a segurança e a estabilidade da conexão morse friccional e a ampla linha de munhões e pilares facilitam a escolha pelo modo de fixação preferencial do protesista. Mesmo onde a posição tridimensional do implante é satisfatória, pequenas correções podem ser realizadas a fim de melhorar ainda mais o resultado final.

Um outro aspecto importante na reabilitação dentária, e aqui colocada de uma forma mais generalista sobre dentes e implantes, é a manutenção de um plano oclusal adequado. Perdas dentárias normalmente causam danos aos arcos e dentes adjacentes, tais como inclinações e extrusões dentárias. No caso a seguir demonstramos o refinamento do plano oclusal através de uma intrusão ortodôntica previa a reabilitação definitiva.

Descrição do caso: 

Paciente sexo feminino, 35 anos, compareceu à clínica apresentando ausência dos elementos 25 e 26. Clinicamente observamos uma oclusão estável com discreta mesialização dos dentes posteriores e extrusão do elemento 36.

Por apresentar espaço protético limitado para instalação de 2 implantes, respeitando a adequada manutenção das distâncias biológicas e seus posicionamentos tridimensionais, optamos pelo planejamento virtual reverso do caso e indicamos a cirurgia guiada flapless com provisionalização imediata.

Após anestesia infiltrativa local com Articaína 4% e epinefrina 1: 100.000, realizamos a fixação da guia cirúrgica prototipada (Protótipos 3D – Porto Alegre RS) no palato através de pinos específicos para esta finalidade. Iniciamos as perfurações com a  broca lança 1.9mm, e depois com a fresa 2.4mm. Alargamos os alvéolos para receber 2 implantes Arcsys – FGM de 3,3 x 11mm. Os implantes apresentaram torque superior a 32N, o que deu a eles condições de receber provisórios e função imediata. Selecionamos 2 pilares de 2.5mm cada e os mesmos foram ativados sem qualquer inclinação através de 3 batidas com o martelete Arcsys. Coroas provisórias foram confeccionadas com resina composta do tipo flow sobre os transfers multifuncionais.

Durante o período de osseointegração, objetivando adequar o espaço cérvico-oclusal da futura reabilitação cerâmica, instalamos 2 mini implantes (Morelli, Sorocaba -SP) na região mésio-lingual e disto-vestibular do elemento 36. Um elástico em corrente, com força intrusiva de 120 gramas, fora colocado unindo os mini parafusos e um botão ortodôntico colado na superfície oclusal (Morelli, Sorocaba – SP).

Concluído o tratamento ortodôntico, procedimentos de moldagem envolveram o uso de transfers multifuncionais personalizados com resina acrílica e silicone de adição. Modelo de trabalho confeccionado com gesso tipo IV e gengiva artificial. Montagem em articulador semi-ajustável e confecção de prótese metalo-cerâmica sobre cilindros CoCr antirrotacionais. Instalação com 10N de torque e vedamento dos orifícios com resina composta do tipo flow.

Conclusões:

O planejamento virtual reverso e o uso de guias prototipadas contribuem imensamente para o sucesso na reabilitação protética com implantes dentários e a utilização do sistema Arcsys, com possibilidade de angulação dos intermediários protéticos, possibilita um tratamento mais seguro, com maior previsibilidade e refinamento.

O sistema Cone Morse Friccional, com seu embricamento mecânico chamado “solda fria”, se mostrou extremamente seguro para as conexões em próteses do tipo unitárias parafusadas.

Técnicas ortodônticas podem e devem ser empregadas para a melhora dos planos oclusais previamente a confecção de restaurações sobre implantes dentários.

Referências
Carvalho NB, Goncalves SLMB, Guerra CMF, Carreiro, AFP. Planejamento em Implantodontia: uma visão contemporânea. Rev. Cir. Traumatol. Buco-Maxilo-Fac., Camaragibe v.6, n.4, p. 17 – 22, outubro/dezembro 2006.
Choi M, Romber GE, Drisco CF. Effects of varied dimensions of surgical guides on implant angulations. J.Prosthet Dent. Philadelphia, v.92, n.5, p.463 – 9, nov. 2004.
Viegas, VN. Avaliação das variações da transferência do planejamento virtual e sobre protótipos biomédicos para a instalação de implantes dentários pela técnica cirúrgica guiada. 2008. 107 f. Tese (Doutorado em Odontologia) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.
Rosseti, P. Próteses cimentadas versus parafusadas. http://www.inpn.com.br/ProteseNews/Materia/Index/132482 – 2016.