Ok
FGM Magazine
  • Edition n. 5

Clinical Cases



Clinical Cases

Reconstrução Coronária com Resina Composta Associada à Pino Intra-Radicular de Fibra de Vidro.

Prof. Dr. André Marcelo Peruchi Minto

Graduado pela Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto -USP Especialista em Dentística Restauradora - APCD Araraquara Mestre em Dentística - UNESP - Araraquara Doutor em Dentística - FOUSP - São Paulo Prof. da Disciplinas de Dentística e Clínica Integrada da Universidade de Franca - UNIFRAN Prof. dos Cursos de "Especialização em Dentística" da FUNORP ( FORP-USP) e da Associação Odontológica de Ribeirão Preto (AORP) Clínica Particular - 21 anos Endereço: Rua Casemiro de Abreu, 572 - Ribeirão Preto -SP - Vila Seixas - Cep 14.020-060. E-mail: amp_minto@hotmail.com

RESUMO

Rotineiramente o cirurgião-dentista depara-se com situações clínicas de difícil solução, entre elas as fraturas coronárias, uma vez que estas representam as conseqüências mais comuns dos traumatismos que envolvem a região orofacial. Dentes fraturados e submetidos ao tratamento endodôntico devem ser imediatamente reconstruídos, sendo necessário um planejamento criterioso que normalmente envolvem a inserção de um pino intra-radicular com a finalidade de se obter retenção para o material de reconstrução. Posteriormente estes elementos dentais podem ser restaurados com técnicas de restaurações indiretas ou diretas. Com a evolução das resinas compostas e dos sistemas adesivos, associados à técnica de condicionamento ácido de esmalte e dentina tornou-se possível a execução de tratamentos restauradores estéticos mais conservativos. O presente caso clínico relata a restauração parcial da coroa do dente 21 de um paciente jovem (19 anos), fraturada em acidente automobilístico. Diante da ausência do fragmento fraturado e tendo em vista a jovialidade do paciente e a quantidade de remanescente dental optou-se pela reconstrução total da área fraturada com resina composta. Para isso foi utilizado um pino de fibra de vidro (WhitePost/FGM) cimentado no interior do conduto radicular com e, cimento resinoso de cura dual (AllCem/FGM)  mediante o emprego de uma matriz de silicone o elemento dental foi restaurado com resina composta micro-híbrida (Opallis/FGM). Durante a etapa restauradora a relação comprimento-largura foi restabelecida através de uma plastia periodontal, com aumento da coroa clínica. Desta forma, tornou-se possível reabilitar o sorriso do paciente através da integração de técnicas e materiais restauradores, de uma maneira conservativa, protelando-se a possível colocação de um trabalho protético, fato que sem dúvida contribuirá para a longevidade do elemento dental.

 

 

INTRODUÇÃO

Muitas situações clínicas, como os casos de fraturas dentais, que há tempos só apresentavam soluções protéticas, hoje podem ser resolvidas através de restaurações diretas com resina composta.

As fraturas coronárias compreendem os traumatismos mais freqüentes na dentição permanente (ANDREASEN & ANDREASEN, 2001). A colagem do fragmento é uma escolha terapêutica simplificada, representando um tratamento que permite a restauração da anatomia original do dente, reabilitando assim a função e a estética, preservando os tecidos dentários (RAPPELLI, et al.,2002).

Nos dentes cuja terapia endodôntica for inevitável, torna-se imprescindível a preservação da estrutura dental remanescente. Com este objetivo, quando a utilização de pinos é requerida para auxiliar na retenção de uma restauração estética ou uma coroa artificial, constitui-se na forma mais efetiva de preservação da estrutura dentária (MORGANO, 1996).

Entre os diversos tipos de pinos pré-fabricados indicados para restaurações de dentes tratados endodonticamente, destacam-se aqueles fabricados com fibra especiais reforçados com cerâmica e compósito, combinação esta que cria uma viável alternativa aos pinos metálicos, com o aumento das resistências flexural e à tração (KRASTEVA, 2001).

Os pinos de fibra que são cimentados com técnicas adesivas têm comportamento passivo, pois não necessitam ser rosqueados. O módulo de elasticidade de todos os tipos de pinos de fibra é similar à dentina, possivelmente minimizando o risco de fratura radicular (ASMUSSEN et al., 1999; VICHI et al., 2001).

Diante do exposto, o presente trabalho tem por objetivo apresentar uma alternativa viável para a restauração de dentes anteriores fraturados em pacientes jovens, onde as fraturas que comprometem a totalidade da coroa clínica tornam-se de difícil solução, pois as alternativas restauradoras protéticas estarão limitadas pela precocidade etária do paciente.

Para que se possa individualizar o tratamento ao perfil do cliente e à situação clínica específica, abandonando “dogmas “  e “receitas”, uma reflexão mais ampla é fundamental (CONCEIÇÃO  e cols.,2005). Avaliações sobre a necessidade da colocação de um pino intra-radicular, a análise do tecido dental remanescente, a posição do dente no arco, a condição e a anatomia da raiz, a função do dente restaurado, a análise oclusal, o tipo de restauração a ser realizada e a expectativa estética do paciente são de fundamental importância para o diagnóstico e planejamento do caso visando atender às solicitações do paciente dentro dos preceitos da odontologia estética moderna e conservadora.

 

 

CASO CLÍNICO-DIAGNÓSTICO E PLANO DE TRATAMENTO

Paciente, caucasiano, 19 anos de idade, vítima de acidente automobilístico, compareceu á clínica de especialização em Dentística da faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto-USP, com fratura oblíqua no sentido palatino-vestibular com envolvimento de toda a face vestibular e tratamento endodôntico realizado no elemento 21. Após exame clínico e radiográfico optou-se pela utilização de um retentor intra-radicular estético associado à restauração direta de resina composta do elemento envolvido dada à idade do paciente e às condições clínicas do remanescente dental.

 

DISCUSSÃO e CONCLUSÕES

Na prática clínica diária muitas vezes, o profissional se depara com situações em que deve agir de maneira rápida e precisa para atender às necessidades estéticas dos pacientes, o que com frequência requer a adoção de medidas “não-convencionais”, isto é, que a princípio parece contrariar os dogmas da odontologia tradicional. Porém, a união resina composta/adesivo, base de toda a odontologia estética permite ao clínico forjar soluções e propostas de ação para a resolução dos casos que se apresentam sem a devida comprovação científica, desde que impere o conhecimento e o bom senso. CONCEIÇÃO e cols (2005) relatam que o caminho ideal de comprovação científica de um material e/ou técnica pode ser alterado diante de um desafio clínico, onde o profissional pode e deve inovar e buscar comprovação ou não de sua proposta, no acompanhamento clínico controlado e, posteriormente nos dados científicos in vitro e in vivo.

            Várias condutas podem ser tomadas para o tratamento dos diferentes tipos de fraturas dentais. Sempre que um dente é submetido ao tratamento endodôntico ocorre diminuição significativa de sua resistência à fratura devido ao comprometimento de importantes estruturas dentais, especialmente as de reforço, constituídas pelas cristas marginais, pontes de esmalte, teto da câmara pulpar e toda estrutura de esmalte e dentina acima dela, como descrito por Assif e Gorfil (1994). 

No presente caso, em que houve envolvimento pulpar, foi necessária a realização do tratamento endodôntico. Portanto, o profissional deve atentar inicialmente para a quantidade e a qualidade do remanescente dental, uma vez que essas condições são fundamentais para a manutenção da integridade do elemento dental, a fim de se evitar possíveis fraturas. São esses fatores que pesam na decisão de se restaurar o elemento dental diretamente com resina composta ou indiretamente mediante a utilização de uma coroa protética. A indicação de coroas totais protéticas para a reabilitação estético-funcional poderá estar limitada por alguns fatores sendo os principais o custo, a idade do paciente e a condição do remanescente radicular. Portanto não é incomum protelar-se a realização de restaurações indiretas, dada a expectativa de vida do paciente e do elemento dental, como no caso apresentado onde havia a total convergência dos fatores acima citados.

Pelas avaliações prévias durante as fases pré-operatórias, optamos pela restauração direta do elemento dental com resina composta com retenção adicional de um pino intra-radicular de fibra de vidro. A inserção de um retentor intra-radicular tem a finalidade de contribuir com a retenção do material restaurador e pouco pode contribuir para elevar a resistência do remanescente dental coronário, como demonstrado por Christensen (1996) e Scotti e Ferrari (2003). Por outro lado, o auxílio prestado pelo pino de fibra de vidro à retenção da resina composta, permite que a restauração executada futuramente funcione como um núcleo, caso o elemento restaurado venha receber um preparo protético, se assim o profissional indicar.

O pino de fibra de vidro quando fixado com cimento resinoso contribui favoravelmente para o reforço da estrutura radicular, não resultando em elevação do índice de fratura radicular devido à melhor distribuição de forças ao longo de toda a porção interna da raiz, como demonstrado por Dallari e Rovatti (1996), Ferrari et al (2000) e (2002) . No presente caso a escolha do pino a ser utilizado recaiu sobre o WhitePost (FGM)por se tratar de um pino cônico e passivo, pois segundo Assif e Bitensky (1993) são aqueles que causam menos tensões no interior do canal radicular.

Como em toda técnica restauradora adesiva o estabelecimento de um protocolo clínico rigoroso define os sucesso das várias etapas clínicas. O planejamento do presente caso incluiu a realização de uma técnica cirúrgica periodontal para recuperar o espaço biológico e restabelecer a proporção altura X largura, fundamental para a composição estética final do sorriso do paciente, como descrito por Mondelli (2003). Ao utilizar a resina composta de maneira direta, além da praticidade na restauração estético-funcional, os autores destacam ainda a reversibilidade, o custo reduzido e a facilidade de se obter novo acesso ao canal radicular (caso seja necessário), como vantagens inerentes do emprego da técnica, especialmente em clínica de adolescentes e adultos jovens.

Portanto, os procedimentos adesivos na Odontologia podem oferecer tantas possibilidades quanto permitir a criatividade do clínico, desde que praticados com razão, conhecimento e segurança.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANDREASEN,J.O. ;ANDREASEN,F.M. Fundamentos de Traumatismo Dental:Guia de tratamento passo a passo. Artmed editora, p.21 - 45, 2001.

ASMUSSEN,E.; PEUTZFELDT,A.; HEITMANN,T. Stiffness, elastic limit, and strength of newer types of endodontics posts. Journal Dent, v.2, p.275-278, 1999.

ASSIF, D.; GORFIL, C. Biomechanical considerations in restoring endodontically treated teeth. J Prosthet Dent, 71, p.565-567, 1994.

ASSIF, D.; BITENSKY, M.D.; PILO, R. Effect of post design on resistance on fracture of endodontically treated teeth with complete crown. J Prosthet Dent, 69, p.36-40, 1993.

CHRISTENSEN, G. J. When to use fillers, build ups or posts and cores. J Am Dent Assoc, 127, p. 1397-1398, 1996.

CONCEIÇÃO, E. N. e cols .Restaurações estéticas: compósitos, cerâmicas e implantes. Ed. Artmed. Porto Alegre. 2005.

DALLARI, A.; ROVATTI, R. Six years of in vitro/in vivo experience with composipost. Compendium 1996; 17:57.

KRASTEVA,K. Clinical application of a fiber-reinforced post system. Journal Endodont, v.27,n.2, p.132-133, 2001.

MONDELLI, J. Estética e cosmética em clínica integrada restauradora. Quintessence. São Paulo. 2003.

MORGANO,S.M. Restoration of pulpless teeth: Application of traditional principles in present and future contexts, Journal Prosthetic Dentistry, v.75, n.4, April, 1996.

RAPPELLI,G.; MASSACCESI,C.;PUTIGNANO,A. Clinical procedures for the immediate reattachment of a tooth fragment, Dent Traumatol, v.18, p. 281-284, 2002.

SCOTTI, R.; FERRARI, M. Pinos de fibra: considerações teóricas e aplicações clínicas. Ed. Artes Médicas. São Paulo. 2003.

VICHI,A.; GRANDINI,S.; FERRARI,M. Clinical procedure for luting glass-fiber posts. Journal Adhesive Dent, v.3, n.4,p.353-359, 2001.



Galeria de Imagens

Inserção da resina composta micro-híbrida OPALLIS (FGM) cores C3 e C2 para dentina.
Restauração da face vestibular com resina micro-híbrida OPALLIS (FGM) cores C3 e C2 para esmalte, além do esmalte especial de médio valor.
9) Vista vestibular após aumento de coroa clínica para restabelecer o espaço biológico e a relação comprimento x largura do dente 21
Isolamento absoluto com grampo 212M para retração gengival e exposição da região cervical.
Restauração trans-cirúrgica da região cervical com resina composta microhíbrida cor C3 para dentina OPALLIS (FGM).
Vista vestibular após o acabamento da restauração cervical e remoção do isolamento absoluto.
Controle pós-operatório de 21 dias após a execução do polimento com borrachas abrasivas.
Vista vestibular 30 dias após a execução do caso clínico.
Compartilhe:
 
Fechar