Munhão Angulável

COMPONENTES ANGULÁVEIS. ANGULAÇÃO SOB MEDIDA.

 

Componentes protéticos personalizáveis de alta resistência e biocompatibilidade permitem ao profissional customizar, de forma rápida e prática, a angulação dos munhões de acordo com a necessidade de cada paciente. Trata-se de uma solução exclusiva da FGM que garante ao cirurgião-dentista e ao técnico em prótese dentária um trabalho mais fácil, e um resultado estético e funcional superior para o paciente.
 
CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO
 
• Ângulo personalizável: permite angulação de 0º a 20º, obtendo melhor resultado estético e funcional.
• Próteses cimentadas; unitárias ou múltiplas.
• Interface Cone Morse Friccional.
• Linha de término em zero.
• Componente único para os diferentes diâmetros de implantes.
• Disponíveis com diferentes alturas para atender as variações de espessura de mucosa.
• Material de fabricação: aço inoxidável destinado a produtos implantáveis, em conformidade com a norma ASTM F138 e ABNT NBR ISO 5832.

Munhão Angulável

Perguntas Frequentes

Qual material é utilizado na fabricação?

Os componentes protéticos são fabricados em aço inoxidável, indicado para uso em produtos implantáveis, fabricado conforme norma americana ASTM F138-13a.

Depois de angulado, o componente não fica fragilizado podendo ocorrer fratura?

Os Componentes Anguláveis da FGM são fabricados conforme a norma ASTM F138-13a e ABNT NBR ISSO 5832-1:2008, que definem as características da composição química, propriedades mecânicas, microestrutura e requisitos para aplicação deste material em produtos implantáveis. Os componentes passaram por uma série de testes, tanto de fadiga estática (ensaio de compressão), quanto de fadiga dinâmica. Conforme resultados obtidos, a força limite de resistência (Flr) alcançou um valor médio de 1725N, que corresponde ao ensaio de fadiga estática dos componentes protéticos na pior condição (Munhão Angulável Arcsys 3x6x5,5mm, angulado a 20°), ou seja, um valor muito superior ao estudo realizado por Ferrario et al (2004), onde a média da força máxima aplicada sobre um dente unitário (primeiro molar) de um indivíduo adulto, saudável e do sexo masculino é de aproximadamente 306N.

Qual a carga, força (Ncm) o componente suporta?

Realizamos ensaios de fadiga estática no componente montado sobre o implante, onde selecionamos a condição mais crítica, definida pelo componente de maior altura de transmucoso e menor robustez (Munhão Angulável Arcsys 3x6x5,5mm, já angulado a 20°). Este ensaio foi conduzido conforme norma ABNT NBR ISO 14801:2012, que define um método padronizado para verificação da resistência mecânica dos componentes sobre fadiga estática (ensaio de compressão) e fadiga dinâmica. Para este teste, o componente resistiu a um valor médio de 1725N, ou seja, um valor muito superior ao estudo realizado por Ferrario et al (2004), onde a média da força máxima aplicada sobre um dente unitário (primeiro molar) de um indivíduo adulto, saudável e do sexo masculino é de aproximadamente 306N.

Qual o comportamento do nosso componente (aço inox) em relação à interação com os tecidos?

A liga utilizada é implantável e já utilizada há muito tempo na área médica em dispositivos implantares, justamente por sua adequada resposta biológica aos tecidos. Conforme evidenciada pela norma americana ASTM F138-13a.

Como é a interação dos materiais aço inox com o titânio grau V?

A norma ABNT NBR 16044:2012 define os requisitos gerais para implantes dentários. Nela são especificadas diversas questões dentre elas, o contato com materiais de diferente composição química. Esta norma faz citação a outra (ABNT ISO 21534), que define que a combinação do aço inoxidável ASTM F138-13a, a ser utilizado como material de fabricação do pilar, e do Ti6Al4V, que é utilizado na fabricação do implante, é considerada aceitável para aplicação, podendo ser utilizada sem maiores problemas.

Como é realizado o acionamento? Qual a força necessária para um travamento ideal?

O acionamento deve ser realizado por impacto mecânico, através de dispositivo próprio. O Martelete foi projetado para proporcionar este acionamento de maneira adequada, conferindo segurança para o usuário. O travamento ideal é realizado pela quantidade de batidas que o profissional submete ao componente protético. Recomendamos ao menos 3 (três) batidas, para proporcionar um travamento confiável, onde cada acionamento gera energia equivalente a 4,93 X 10-2J.

Caso seja necessária a reversibilidade, como proceder? Em boca não existe movimento parecido que faça soltá-lo?

Sua remoção é possível e segura, desde que o profissional apreenda o componente (ex. fórceps) e realize o movimento de torsão e tração simultaneamente (cerca de 30N são suficientes para “anular” o efeito morse). Importante que, se o paciente possuir indicação para reabilitação (ex. sem parafunções não controladas) e a oclusão esteja ajustada de acordo, não há possibilidade de soltura do componente protético durante função mastigatória.