Escolha produtos BPA FREE para seus pacientes.

Tecnologia em prol da saúde.

Alguns estudos apontam a interferência do composto BPA no sistema endócrino e no desenvolvimento fetal e infantil, além de problemas reprodutivos. Embora a quantidade de BPA liberada na saliva por materiais resinosos seja milhares de vezes menor do que a dose limite de segurança1, há uma tendência de remover o BPA dos produtos odontológicos restauradores. Aderindo à tendência de materiais livres de BPA, Vittra APS não possui em sua formulação os monômeros que são sintetizados a partir deste composto, estando em consonância com órgãos reguladores internacionais. A base orgânica da resina conta com os monômeros do tipo UDMA e TEGDMA, que não liberam BPA na saliva.

Você sabe a importância de produtos BPA Free?

BPA Free é a sigla que indica que o produto está livre de Bisfenol A. Também chamado de BPA, é uma substância química orgânica que constitui a unidade básica de polímeros e revestimentos de alto desempenho, principalmente plásticos policarbonatos e resinas epóxi.
Essa substância costuma estar presente em produtos de plástico duro e transparente como encontrados em mamadeiras, potes, chupetas, pratos, talheres e na parte interna de enlatados.

Diversos estudos mostram o potencial prejudicial do BPA à saúde, como distúrbios de comportamento, memória e também um maior risco de puberdade precoce, câncer, diabete e doenças cardiovasculares.

O BPA é um xenoestrógeno, isto significa, que ele confunde os receptores celulares no organismo e se comporta de forma parecida à dos estrógenos naturais. Por este motivo, o BPA é considerado um disruptor endócrino (DE). Essas substâncias, de maneira geral, desequilibram o sistema endócrino, modificando o sistema hormonal.

BPA altera a função e o desenvolvimento dos órgãos sexuais, em especial da próstata e da mama, além de levar à puberdade precoce. Uma grande preocupação é que essa substância se acumule no cérebro, podendo causar distúrbios de comportamento e memória

Experiências realizadas com ratos de laboratório mostram que os animais que têm contato com bisfenol A alimentam-se menos e ficam mais irritáveis.

“Isso pode explicar o aumento da incidência de crianças hiperativas e com déficit de atenção”, afirma Wong. O pediatra alerta ainda que “esse problema é mais sério em fetos e em crianças de até os três anos porque o cérebro ainda está em desenvolvimento”.

Por apresentar efeitos nocivos à saúde o seu uso foi regulamentado em vários países. Desde 2011, a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) por meio da Resolução RDC n. 41/2011, proibiu no Brasil, a produção, importação e comercialização de mamadeiras que contenham BPA. Para identificar a presença de BPA no produto, basta verificar no fundo do recipiente o número de reciclagem que vem marcado dentro do triângulo.

Quando estiver marcado os números 1, 2, 4 ou 5 significa que o produto não contêm BPA. Se estiver marcado o número 3 ou 7 significa que o produto contém presença de BPA.

O aquecimento, dos produtos que apresentam na sua composição BPA, é responsável pela liberação deste composto. Portanto, produtos que contêm essa substância não devem ser fervidos ou levados ao micro-ondas.

Em caso de dúvida sobre a presença de BPA no produto:
• Não esquente mamadeira e potes de plástico no micro-ondas.
• Espere o leite esfriar antes de pôr na mamadeira.
• Lave os produtos com detergente (suave ou de coco) depois deixe de molho por alguns minutos e enxague com água corrente.

 

Fonte: Dra. Daphene Ozelame

FGM Interativa

Adicionar comentário