escovação dentes escova saúde

Escova de dentes é escolhida como a maior invenção do século XX

bbbbbbbb 3
Se perguntarem a você qual foi a maior invenção do século XX, é possível que se lembre do carro, do computador ou do telefone. Mas para os norte-americanos, um povo obcecado por dentes reluzentes e um hálito fresco, a escova de dentes é a maior das invenções desse período.
Esta é a principal conclusão de uma pesquisa divulgada pelo Lemelson-MIT Invention Index, do Massachusetts Institute of Technology (MIT). Na ocasião da pesquisa, os entrevistadores fizeram a seguinte pergunta aos entrevistados: Quais são as cinco invenções essenciais para a vida dos norte-americanos? A escova de dentes ocupou um incontestável primeiro lugar, superando o carro, o computador, o telefone e o micro-ondas, respectivamente.
Os investigadores do Lemelson-MIT entrevistaram várias pessoas, em todos as partes dos Estados Unidos. A pesquisa da instituição, praticada há alguns anos, incluiu mil adultos e 400 adolescentes. No total, 54% dos adolescentes e 60% dos adultos disseram acreditar que uma cura do câncer seria a maior “nova” descoberta da humanidade. O fato é que a escova de dentes recebeu o maior número de votos, segundo os investigadores, pois “as grandes invenções não precisam ser, necessariamente, complexas”.
A primeira escova de dentes, oficialmente noticiada, foi fabricada em 1498 por um imperador chinês, que usou cerdas de pelos de suínos. Antes disso, achados de ramos mastigados de galhos foram encontrados junto a múmias egípcias e pareciam escovas de dentes. No século XVII o objeto tornou-se popular na Europa. Em curto espaço de tempo as pessoas começaram a se interessar pela novidade. Devido ao alto custo, as famílias pobres eram obrigadas a compartilhar uma mesma escova entre os seus membros. Foi só a partir de 1938 que surgiram as escovas dentárias com cerdas de nylon – o que disseminou o uso deste produto em todas as partes do mundo.
Isso colaborou com a popularização e a redução do custo desse recurso. Essa inovação impulsionou o consumo das escovas de dentes, que passaram a ser adotadas por grande parte dos cidadãos do mundo. Atualmente, além das cerdas de nylon, outros materiais de excelente qualidade estão disponíveis em inúmeras versões, com desenhos e finalidades variadas, para atender a prática total da higiene bucal.
Com o aumento do poder aquisitivo e do interesse da população em investir na melhor preservação da saúde e da estética bucal, surgiram modelos variados de escovas dentárias destinadas às inúmeras recomendações dos profissionais de odontologia.
Um dos maiores diferenciais das propostas modernas de higiene bucal é o da preocupação tanto com a escovação das áreas livres dos dentes (partes voltadas para a bochecha, língua e céu da boca), quanto dos espaços entre dentes. Isso estimulou a produção de uma vasta literatura de apoio científico, que respalda o uso das escovas interdentais como alternativa vantajosa ao fio dental ou como parceira deste na melhor higiene entre dentes.
Existem inúmeros tipos de escovas interdentais – com calibres variados – e que podem atender a necessidade de higiene dos espaços entre dentes da grande maioria das pessoas – sem distinções ou recomendações outras, que não a de observar o calibre adequado dessa escova para a higiene dos espaços entre dentes de cada paciente.
Outra vantagem das escovas interdentais diz respeito a maior durabilidade e a possibilidade de inserção do creme dental na sua estrutura. Isso permite que este valioso complemento da higiene consiga atingir uma região anteriormente ignorada – a dos espaços entre os dentes.
Além das escovas para dentes também existem as que estão voltadas a higienização dos implantes e os vários tipos de limpadores Linguais – apropriados para a higiene desta superfície apta a retenção de biofilme bucal e de restos alimentares (também chamados de saburra lingual, nestas circunstâncias).
O fato é que a escova permanece como uma invenção dinâmica, em constante estado de renovação e de adequação com as novas realidades tecnológicas e científicas da odontologia. É isso o que respalda, e seguirá respaldando, a recomendação dos nossos colegas dentistas e a rotina de higiene bucal dos nossos pacientes.
Fonte: Odontomagazine
Publicado por FGM Interativa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *