Utilização do Sistema Arcsys em condição desafiadora

AUTORES: Prof. Dr. Rogério Goulart da Costa Prof. Rafael Cury Cecato Prof. Thiago Roberto Gemeli.

Introdução:

O planejamento protético é prioritário diante de um caso de reabilitação. Porém, ao identificar que o cenário não é favorável com o planejamento estabelecido, o cirurgião-dentista deverá buscar alternativas, de forma a manter a programação original e não comprometer o sucesso no resultado final. Tais alternativas compreendem procedimentos pré-operatórios condizentes em preparar a região onde a reabilitação será conduzida como, por exemplo, espaço suficiente no tecido ósseo para ancorar o implante que suportará a restauração, tanto em relação às suas dimensões quanto localização e inclinação compatíveis com o delineamento do tratamento. Podemos citar como recursos possíveis: movimentações ortodônticas, cirurgias periodontais, reconstrutivas, de afastamento de nervos/vasos ou até mesmo exodontias. A relação custo-benefício deverá guiar o profissional durante essa decisão, tendo sempre em mente que a reabilitação deverá ser conduzida com a premissa de que provocará menor trauma possível, menor tempo de tratamento e menor custo financeiro.

O Sistema de Implantes Arcsys possui características inovadoras para que o profissional busque em suas reabilitações uma condução ágil, mas nem por isso menos exitosas biológica, mecânica ou esteticamente. Tal engenho está na especial capacidade de angulação dos componentes protéticos, seja para próteses aparafusadas como para cimentadas, de acordo com a necessidade do planejamento, sem comprometer as características funcionais e estéticas do componente.
No caso clínico que será apresentado a seguir, o desafio foi reabilitar o sextante superior posterior direito com substituição dos dentes ausentes 14 e 16, sem submeter o paciente a um tratamento ortodôntico prévio, nem tampouco extrair dentes considerados biomecanicamente adequados. Tal terapia somente foi possibilitada e executada com precisão e excelência, graças à poderosa ferramenta que o clínico dispõe atualmente: um componente protético passível de personalização de sua angulação.

FICHA
Paciente do gênero feminino, 57 anos de idade.

A QUEIXA

Ausência dos elementos 14 e 16. Reabilitação destas regiões sem submeter o paciente à exodontia e/ou tratamento ortodôntico.

ANAMNESE

Saúde compatível com o tratamento proposto.

PLANEJAMENTO

Instalação dos implantes nas regiões dos elementos 14 e 16, respeitando as inclinações das raízes adjacentes.
Compensação destas angulações com componentes protéticos anguláveis Arcsys.

TRATAMENTO:

Paciente do sexo feminino, leucoderma, 57 anos e com queixa principal de ausência de dois dentes superiores do lado direito (Fig. 1 e 2). Os espaços protéticos eram condizentes com a confecção de coroas protéticas nos elementos 14 e 16. Porém, durante análise das imagens radiográficas, percebeu-se que os implantes não poderiam ser instalados com seu longo eixo coincidente com o longo eixo das coroas protéticas (Fig. 3).

Como relatado anteriormente, durante o estudo do caso foram pré-requisitos que nenhum dente viável de manutenção fosse removido e a paciente não se mostrou apta a considerar o tratamento ortodôntico. Porém, ao contrário do que vários colegas julgariam diante deste cenário, a solução seria simples e prática, desde que fosse utilizado um sistema para reabilitação que compreenda as demandas requeridas. Diante disto, o Sistema Arcsys foi eleito para condução do caso.

O principal motivo dessa escolha foi a possibilidade de compensação da angulação a que, obrigatoriamente, os dispositivos seriam submetidos. Nesse quesito o Arcsys é imbatível pois nenhum outro permite angular o componente protético até 20° sem prejudicar as respostas mecânicas e estéticas da reabilitação.4,5,6 Durante as perfurações, radiografias transoperatórias foram efetuadas para garantir seu direcionamento e consequentemente a integridade das raízes dos dentes adjacentes (Figs. 4 e 5). O tratamento endodôntico do el. 15 foi realizado imediatamente após as implantações e seu controle sugere regressão do processo infeccioso. Após aguardo de 90 dias foi feita reabertura e coroas provisórias sobre cicatrizadores multifuncionais foram instaladas. Após condicionamento tecidual prévio, os componentes protéticos para próteses unitárias cimentadas foram selecionados, (munhão Arcsys 3 x 4 x 3,5mm para el. 14 e munhão 4,2 x 6 x 3,5mm para el. 16), angulados com auxílio dos referenciadores (Figs. 6 a 9) e ativados (Fig.s 10 e 11). Percebe-se que a compensação de direcionamento é relativamente pequena (6° a 7°), porém fundamental para que as restaurações protéticas fossem possíveis de serem construídas com anatomia e estética de excelência.

A partir deste momento, iniciou-se com as provisórias o condicionamento tecidual para mimetizar o arco côncavo regular ao redor dos implantes (Figs. 12 a 14).

Uma por vez, as coroas de porcelana (dissilicato de lítio) foram, extra-oralmente, cimentadas com notável cuidado em análogos dos componentes presentes em boca, no intuito de extravasar todo e
qualquer excesso de cimento. Imediatamente após o escoamento deste, as coroas foram limpas com gaze estéril e posicionadas sob pressão digital sobre os seus respectivos intermediários. Então, a restauração do elemento 15 foi substituída (Figs. 15 e 16).

Durante a proservação (sete meses), nota-se claramente a estabilidade dos tecidos periimplantares, possível, dentre vários fatores, ao selamento bacteriano pretendido na conexão cônica
friccional (cone morse “verdadeiro”) adequado dos dispositivos (implante/componente/restauração) em relação aos dentes adjacentes e a oclusão ajustada de acordo com a exigência do tratamento (Figs. 17 e 18).

CONCLUSÃO:

Com extraordinários recursos há pouco impensáveis, porém atualmente à disposição dos cirurgiões-dentistas e técnicos em prótese dentária, é perfeitamente possível transformar terapias reabilitadoras complexas à primeira vista em tratamentos perfeitamente simples e viáveis.

Além disso, esta tecnologia aumenta significativamente a perspectiva de sucesso das reabilitações sobre implantes dentários ao se tornar uma ferramenta essencial para todo profissional de reabilitação oral.

REFERÊNCIAS:

1. Carvalho NB, Gonçalves SL de MB, Guerra CMF, Carreiro A de FP. Planejamento em Implantodontia: uma
visão contemporânea. Rev Cir Traumatol Buco-Maxilo-Facial 2006; 6: 17–22.
2. Misch C. Implantes Dentais Contemporâneos. 2011.
3. Cecato RC, Lippmann B, Pinto NPJ. Utilização de componentes protéticos anguláveis do Sistema
Arcsys na reabilitação de indivíduo classe III – relato de caso. Rev Catarinense Implantodont 2016; 16:
58–60.
4. Wiggers W de S. Desmistificando a resistência mecânica de componentes protéticos anguláveis. FGM
News Implant 2017; 1: 46–49.
5. Sadrimanesh R, Siadat H, Sadr-Eshkevari P, Monzavi A, Maurer P, Rashad A. Alveolar Bone Stress
Around Implants With Different Abutment Angulation. Implant Dent 2012; 21: 196–201.
6. Wu T, Liao W, Dai N, Tang C. Design of a custom angled abutment for dental implants using computeraided
design and nonlinear finite element analysis. J Biomech 2010; 43: 1941–1946.