Um novo conceito para preenchimento e cimentação de núcleos de fibra de vidro e cerâmicas puras

Doutor Tarcício Pinto
Tarcísio Pinto: professor do Curso de Especialização de Dentística e Prótese ABO/TAG/DF / Hugo Carvalho: professor do Curso de Especialização de Dentística e Prótese ABO/TAG/DF / Lêndiel Olímpio: professor do Curso de Especialização de Dentística e Prótese ABO/TAG/DF / Paulo Frederico Pereira: professor do Curso de Especialização de Dentística e Prótese ABO/TAG/DF

Os procedimentos estéticos revolucionaram a prática da Odontologia e uso dos inúmeros recursos da Odontologia Cosmética tem contribuído para resultados muito similares ao sorriso natural. Dentes com escurecimento severo necessitam de preparos com espessura suficientes para mascarar a coloração indesejada dos remanescentes, e em alguns casos ainda são necessários reforços das estruturas dentárias com cimentação de retentores de fibra de vidro e núcleos de preenchimento. A cimentação adesiva das restaurações cerâmicas oferece diversas vantagens, dentre elas, a atuação mecânica de dente e restauração como uma unidade.

O caso clínico descrito a seguir demonstra uma opção para restabelecimento estético de dentes com variação de cor, forma e tamanho, seguindo as etapas clínicas de cimentação adesiva de retentores intrarradiculares, coroas e laminados cerâmicos.

Relato de caso clínico

Paciente do gênero masculino, 43 anos, procurou tratamento odontológico relatando como queixa a estética, vergonha de sorrir. Após anamnese, avaliação clínica e exames radiográficos, chegou-se ao seguinte diagnóstico: tratamento endodôntico com escurecimento coronário e resina composta insatisfatória nos dentes 12, 21 e 22, ausência dos elementos 16, 23, 26, 36, 38, 46 e 48 com desvio da linha média superior em 4mm para esquerda, perda óssea generalizada e retrações gengivais vestibulares nos dentes 17, 15, 14, 13, 24, 25, 27, 37, 35, 45 (Figs. 1-5)

No plano de tratamento inicial, foi proposta como primeira opção: novo tratamento ortodôntico e posterior reabilitação estética. Contudo, o paciente recusou-se a fazer a intervenção ortodôntica, alegando desejo de estética rápida do sorriso. Para tal, foi proposta e aceita pelo paciente, como segunda opção de tratamento: cimentação dos retentores de fibra de vidro e coroas cerâmicas nos dentes 12, 21 e 22, e facetas cerâmicas para os elementos 15, 14, 13, 11, 24 e 25, para posterior reabilitação inferior co implantes nos dentes 36 e 46, devido ao custo do tratamento.

Como primeiro passo, foi realizada a reabertura endodôntica e remoção da guta-percha dos dentes 12, 22, 21, preservando 5mm de conduto obturado.

O retentor de fibra de vidro escolhido foi Whitepost DC1 de dupla conicidade, por apresentar excelente adaptação – preservando ao máximo a dentina intrarradicular – e por possuir a maior resistência na região cervical. O tratamento da superfície dos retentores foi realizado previamente com ácido fosfórico a 37% (Condac 37, FGM) por 60 segundos, secagem, aplicação do silano (Prosil, FGM) por 1 minuto, aplicação do adesivo (Ambar, FGM), remoção dos excessos com jatos de ar e fotopolimerização por 40 segundos (Figs. 6-7).

O conduto radicular foi tratado com ácido fosfórico a 37% (Condac 37, FGM) por 15 segundos, seguido de lavagem com água e secagem com cones de papel absorvente. Aplicação do adesivo com Cavibrush (FGM), remoção de excessos com cones de papel absorvente, leve jato de ar para evaporação do solvente e fotopolimerização por 40 segundos (Figs. 8-11). O cimento resinoso Allcem Core (FGM) (Fig. 12) se presa dual foi inserido no interior do conduto radicular e uma camada foi aplicada ao retentor e inserida no conduto radicular. Com um pincel, modelou-se o núcleo de preenchimento com o próprio cimento, antes de sua polimerização. Conforme o fabricante, o cimento Allcem Core oferece resistência mecânica suficiente para construção de núcleo/munhão. A fotopolimerização foi realizada por 60 segundos na face vestibular e 60 segundos na face palatina. A seguir, foi realizado o corte dos retentores de fibra de vidro e o preparo com ponta diamantada 3098 MF para confecção das coroas cerâmicas livres de metal (Figs. 13-14).

Os demais preparos conservadores para facetas cerâmicas foram realizados com as brocas 4138 e 4139 (KG Soresen) através da técnica de desgaste seletivo (Figs. 15-17). Os provisórios foram confeccionados com facetas de dentes de estoque e resina acrílica quimicamente ativada. Após ajustes oclusais das peças provisórias, o paciente foi liberado.

Durante um mês, o paciente retornou semanalmente na clínica para ajustes oclusais nos provisórios. Após o restabelecimento da fonética, mastigação, oclusão, estética e ausência de sintomatologia na ATM, moldagens foram programadas.

Na consulta seguinte, os provisórios foram removidos e inserido o primeiro fio retrator de menor diâmetro e, por cima deste, foi inserido um segundo fio retrator de maior diâmetro para o afastamento gengival com a técnica do duplo fio. A moldagem foi realizada com silicone de adição utilizando a técnica de passo único, ou seja, após a remoção do fio retrator mais superficial, é injetado o silicone de adição de consistência leve e moldeira com o material pesado é cuidadosamente assentada sobre a arcada, aguardando-se o período de presa do material para remoção do molde (Figs. 18-21). Para cimentação das peças cerâmicas foi escolhido o sistema Allcem Veneer (FGM), que tem como características: cura fotopolimerizável, ou seja, controle do tempo de trabalho, excelente viscosidade, variedade de cores, radiopacidade e estabilidade de cor (isento de aminas terciárias, principais responsáveis pela alteração de cor a longo prazo). Após a prova com Allcem Veneer Try-in (pasta de prova de cores) em duas cores, A3 na cervical e A1 na incisal e aprovação dos profissionais e do paciente, as peças cerâmicas foram devidamente cimentadas. Para tal, as faces internas das facetas e coroas foram condicionadas com ácido fluorídrico a 10% (Condac Porcelana, FGM) por 20 segundos. A superfície foi lavada e em seguida feita a aplicação do agente silano (Prosil, FGM) por 60 segundos (Figs. 22-29). O condicionamento dos preparos dentários iniciou-se com ácido fosfórico a 37% (Condac 37, FGM) por 15 segundos e lavagem com água abundante. Após removido o excesso de água com sucção e leves jatos de ar, foi aplicado o sistema adesivo Ambar (FGM) e fotopolimerizado por 20 segundos (Figs. 30-31).

Simultaneamente, o adesivo foi aplicado na superfície interna previamente condicionada da cerâmica. O agente cimentante utilizado foi o cimento resinoso Allcem Veneer (FGM) com a ponta aplicadora, inserindo pequenas porções do cimento sobre as peças cerâmicas nas cores A3 na cervical e A1 na incisal (como aprovado na aplicação da pasta de prova de cor). As peças

foram posicionadas sobre os dentes e o excesso de cimento removido com sonda exploradora e fio dental, fotopolimerizando-o por 60 segundos sobre cada face (Figs. 32-34). Após a polimerização total, foram realizados ajustes oclusais e pedido de RX panorâmico final (Figs. 35-39).

Conclusão

A complexidade do caso relatado evidencia a importância de um planejamento minucioso, associação de técnicas e a seleção criteriosa dos materiais a serem utilizados, possibilitando a obtenção de um resultado previsível e agradável.

Diante disso, a técnica de cimentação e preenchimento dos núcleos, juntamente com a técnica restauradora adesiva indireta mostraram-se excelentes opções de tratamento para o restabelecimento estético dos dentes com variação de cor, forma e tamanho.

As restaurações cerâmicas utilizadas devolveram um sorriso esteticamente harmônico e natural ao paciente, elevando sua autoestima e confiança, permitindo-lhe sorrir, pois o sucesso alcançado neste tratamento superou as expectativas do paciente e promoveu uma recuperação funcional dentro dos conceitos da oclusão.