Restabelecimento estético com laminados cerâmicos

Fabiano Marson, Vilson Triches, Ricardo Heinz Knappmann e Luiz Carlos Oliveira Junior
Fabiano Marson - Mestre e Doutor (UFSC-SC); - Pós-Doutorado (UEM-PR); - Professor Coordenador da Especialização e Mestrado em Prótese (Faculdade Ingá-PR).Vilson Triches - Especialista em Prótese (Faculdade Ingá-PR).Ricardo Hein Knappmann - Especialista em Prótese (Faculdade Ingá-PR).Luiz Carlos Oliveira Junior - Mestrando em Prótese (Faculdade Ingá-PR).

Paciente do gênero masculino, 28 anos de idade.

A QUEIXA

A cor e forma dos dentes eram motivos de descontentamento do paciente.

ASPECTO INICIAL

Dentes amarelados e amplamente restaurados.


 

RESUMO

Em muitos indivíduos os dentes anteriores apresentam restaurações diretas de resina composta que fracassaram com o tempo devido a hábitos alimentares, parafuncionais, técnica restauradora e material utilizado. Os pacientes vão em busca de materiais mais estáveis e resistentes à longo prazo, o material que contempla esses requisitos são os laminados cerâmicos além de ser uma técnica conservadora e em muitos casos não necessita de desgaste dental. O presente artigo relata o restabelecimento do sorriso abordando a troca de restaurações diretas deficientes em dentes anteriores por  laminados cerâmicos.

 

INTRODUÇÃO

A aparência do sorriso interfere na imagem dos indivíduos perante a sociedade, influenciando sua vida pessoal e profissional, conseqüentemente a exigência dos pacientes também tem aumentado no que concerne à qualidade das restaurações, principalmente aquelas envolvendo regiões anteriores.1-4

O aprimoramento e desenvolvimento de materiais e técnicas diretas e indiretas permitirem ao profissional realizar grandes mudanças no sorriso dos pacientes, contudo com o passar dos anos as restaurações diretas com resina composta podem apresentar fratura de bordo incisal, manchamento, perda de brilho e textura. O material que gera menos retornos ao consultório e consequentemente menos problemas são as facetas cerâmicas, porém é imprescindível que o profissional possua conhecimento da técnica operatória, das características do sistema indireto, noções de cor, anatomia dental, conhecimento de suas propriedades físico-mecânicas dentre outros fatores. 5,6

Nos últimos anos o procedimento chamado faceta cerâmica ou laminado cerâmico, popularmente conhecido como “lente de contato”, tem aumentado substancialmente no tratamento dos dentes anteriores. A técnica consiste em desgaste minimamente invasivo do esmalte ou até mesmo sem desgaste da estrutura dental. 2,3-7   Atualmente, existem diversos sistemas cerâmicos que possuem excelentes propriedades físicas, ópticas e um alto grau de biocompatibilidade que permitem devolver a integridade biomecânica, estrutural e estética aos dentes que necessitam de intervenções restauradoras. 8-9

O conhecimento suficiente, determinação e treinamento profissional, as restaurações indiretas com laminados cerâmicos são uma alternativa de tratamento segura, mesmo em situações onde nenhum preparo dental é realizado.10-11 Assim, seria lógico presumir que todo esse progresso fosse acompanhado por uma evolução no preparo, no sentido de preservar maior quantidade de estrutura dental sadia.7 Desta forma, considerando a possibilidade de restaurar dentes anteriores com laminados cerâmicos deve ser poupado o máximo possível a estrutura dental sadia, particularmente em pacientes jovens.12-13 O presente artigo relata o restabelecimento do sorriso abordando a troca de restaurações diretas deficientes em dentes anteriores por  laminados cerâmicos.

 

RELATO DE CASO CLÍNICO

Paciente com 28 anos de idade, sexo masculino, apresentava restaurações extensas insatisfatórios nos incisivos anteriores (Fig.1 e 2). Após anamnese, exame clínico e radiográfico foi observada a vitalidade dos dentes.

O tratamento proposto foi a realização de gengivoplastia, clareamento dental e laminados cerâmicos para o restabelecimento estético do sorriso. Primeiramente foi  realizado a gengivoplastia nos elementos 11 e 12 e após 30 dias realizado o clareamento dental na técnica caseira com peróxido de carabina a 16% Whiteness (FGM) durante 2 semanas (Fig. 3).

Para o iniciar o planejamento dos laminados cerâmicos foi moldado com silicona por condensação para a confecção do enceramento dos dentes sobre o modelo de gesso e confecção de 3 três guias de desgaste (mesio-distal/ incisal / cervico-incisal) com massa pesada Precise (Dentsply), para facilitar a realização dos preparos dos dentes e os provisórios em resina bisacrílica autopolimerizável. O preparo foi iniciado com pontas diamantadas de extremo arredondado 2135(KG Sorensen) realizando dois sulcos de orientações seguindo a inclinação dos dentes. Os guias de silicone foram usados sistematicamente durante o preparo, a fim de verificar a adequada redução e evitar excessos na remoção de sua estrutura dental (Fig.4). O acabamento do preparo foi realizado 2135 F (KG Sorensen) em multiplicadora WH. O aspecto final dos dentes preparados pode ser visualizado na Figura 5, observe que o preparo foi minimamente invasivo.

Antes da moldagem foi inserido o fio retrator Ultrapck 00 (Ultradent) para o afastamento gengival e a moldagem foi realizada com silicone de adição Virtual (Ivoclar-Vivadent), utilizou a técnica de um único passo, ou seja, levando o material leve e o pesado ao mesmo tempo e enviado ao laboratório para vazamento e confecção dos laminados em porcelana E.max (Ivoclar Vivadent) com espessura variando de 0,4-0,5mm (Fig.6).

Na consulta seguinte, após uma semana foi feita a prova dos laminados começando pelos incisivos centrais, sendo assim sucessivamente até o canino, observando a forma, textura e adaptação. Posteriormente todos foram provados juntos (Fig. 7-9). Para a escolha do cimento utilizou-se a pasta de prova Allcem Try In (FGM) A1 nos elementos 11,12 e 13 e opaque white nos dentes 21, 22 e 23 para determinação da cor do cimento resinoso (Fig. 9) a cor selecionada foi A1. Na sequência, preparou-se os laminados cerâmicos para cimentação seguindo os seguintes passos: condicionamento com ácido fluorídrico Condac a 10%  (FGM), nas superfícies internas das restaurações por 20 segundos, seguida de uma lavagem com água e jato de ar. Após a lavagem foi aplicado o silano Prosil (FGM) por um minuto, novamente jato de ar e aplicação de adesivo Ambar (FGM) sem fotoativação.

Para o preparo do substrato dental para a cimentação dos laminados foram realizados o condicionamento com ácido fosfórico 37% por 30 segundos, lavagem e secagem, aplicação do sistema adesivo Ambar (FGM) também sem fotoativação. O cimento resinoso Allcem Veneer (FGM) A1 foi colocado na face interna dos laminados e sobre os elementos dentais e a mesma foi adaptada ao preparo dental, o excessos foi removido com pincel descartável e fio dental seguido de fotoatiavação por 60 segundos. A figura 10 mostra as cerâmicas após a cimentação de vista frontal revelando o sucesso do tratamento, onde a busca pela naturalidade e uma harmonia do sorriso foram alcançadas.

 

REFERÊNCIAS

1. Marson FC, Kina S. Restabelecimento estético com laminados cerâmicos. . Revista Dental Press de Estética. 2010;7:76-86.
2. Nishimori LE, Yokayama AK, Marson FC, Silva CO, Correa GO. Lentes de contato: solução para diastemas anteriores. Revista Dental Press de Estética. 2014;11:20-7.
3. Ozturk E, Bolay S. Survival of porcelain laminate veneers with different degrees of dentin exposure: 2-year clinical results. The journal of adhesive dentistry. 2014;16(5):481-9.
4. Annibelli RL, Nishimori LE, Correa GO, Silva CO, Progiante PS, Marson FC. Restabelecimento do sorriso utilizando facetas em dissilicato de lítio. Revista Dental Press Estética. 2015;12:34.
5. Coachman C, Gurel G, Calamita M, Morimoto S, Paolucci B, Sesma N. The influence of tooth color on preparation design for laminate veneers from a minimally invasive perspective: case report. The International journal of periodontics & restorative dentistry. 2014;34(4):453-9.
6. da Cunha LF, Pedroche LO, Gonzaga CC, Furuse AY. Esthetic, occlusal, and periodontal rehabilitation of anterior teeth with minimum thickness porcelain laminate veneers. The Journal of prosthetic dentistry. 2014;112(6):1315-8.
7. Alencar MS, Araujo DF, Maenosono RM, Ishikiriama BL, Francischone CE, Ishikiriama SK. Reestablishment of esthetics with minimum thickness veneers: a one-year follow-up case report. Quintessence international. 2014;45(7):593-7.
8. Jordan A. Clinical aspects of porcelain laminate veneers: considerations in treatment planning and preparation design. Journal of the California Dental Association. 2015;43(4):199-202.
9. Nishimori LE, Annibelli R, Correa GO, Silva CO, Progiante PS, Marson FC. Sistemas cerâmicos e suas possibilidades. International Journal of Brazilian Dentistry. 2013;9:179.
10. Alhekeir DF, Al-Sarhan RA, Al Mashaan AF. Porcelain laminate veneers: Clinical survey for evaluation of failure. The Saudi dental journal. 2014;26(2):63-7.
11. Calgaro PA, Furuse AY, Correr GM, Ornaghi BP, Gonzaga CC. Post-cementation colorimetric evaluation of the interaction between the thickness of ceramic veneers and the shade of resin cement. American journal of dentistry. 2014;27(4):191-4.
12. Souza SM, Marson FC, Sensi LG, Araújo E. Preparo de dentes para faceta de porcelana guiado por ensaio diagnóstico. International Journal of Brazilian Dentistry. 2006;2:392-401.
13. Bertholdo GPS, MARSON FC, Lolli LF, SILVA CO. Desempenho Clínico de Laminados Cerâmicos. International Journal of Brazilian Dentistry. 2013;33:40.