Recontorno estético anterior com o uso de resinas compostas

Doutor Gustavo Oliveira dos Santos, Doutora Gabriella Paiva Bahiense, Doutora Isleine Portal Caldas
Gustavo Oliveira dos Santos: professor adjunto de Clínica Integrada - FO/UFF / professor do mestrado em Clínica Odontológica - FO/UFF / doutor em Dentística - FO/UERJ / , Gabriella Paiva Bahiense: aluna de graduação em odontologia - FO/UFF / Isleine Portal Caldas: oficial dentista - Exército Brasileiro / mestre em Clínica Odontológica - FO/UFF / Especialista em Prótese Dental - FO/UFF

Atualmente, a procura pelo tratamento odontológico não se limita mais a situações dolorosas ou casos de reabilitação funcional. O restabelecimento da saúde bucal também implica devolver um sorriso esteticamente harmonioso, que pode ser afetado por alterações decorrentes de escurecimento fisiopatológico de dente, manchas extrínsecas, traumas, má formações dentárias e tratamentos ortodônticos não finalizados.

As restaurações adesivas diretas constituem uma das alternativas restauradoras para correção de desarmonias estéticas que restabelecem a cor natural com máxima preservação da estrutura dental, e não requerem preparo dental retentivo.

As restaurações com resinas compostas em dentes anteriores representam um grande desafio e requerem atenção a detalhes importantes para se obter bons resultados em dentes anteriores. Aos profissionais cabe a necessidade de deter os conhecimentos necessários para elaboração de um planejamento adequado para correta escolha da técnica restauradora, bem como do material a ser utilizado em relação às suas propriedades mecânicas e óticas, a fim de reproduzir a estrutura dental a ser restaurada, devolvendo saúde, estética e função aos pacientes.

Nesse sentido, este trabalho apresenta um caso clínico com comprometimento estético, em que são realizados clareamento dental e restaurações diretas nos incisivos laterais superiores para corrigir seu tamanho e devolver uma proporção mais adequada, propiciando um sorriso mais favorável.

Relato do caso

Paciente do sexo feminino, 19 anos, procurou a Clínica Integrada da Universidade Federal Fluminense (UFF), com o objetivo de melhorar a aparência do seu sorriso. Em um primeiro contato com a paciente, verificou-se o desejo por dentes mais claros e sua insatisfação com os seus incisivos laterais desproporcionais aos demais dentes.

Inicialmente foi planejado para a paciente o clareamento de consultório associado com o clareamento caseiro. Após a profilaxia, a barreira gengival (Top Dam, FGM) foi aplicada sobre a margem gengival e foi feita a aplicação do gel dessensibilizante (Desensibilize KF 2%, FGM) para prevenir a hipersensibilidade. O gel à base de peróxido de hidrogênio a 35% (Whiteness HP Blue com cálcio, FGM) foi, então, manipulado e imediatamente aplicado. Ao término de 40 minutos, o produto foi cuidadosamente removido através de aspiração e lavagem com spray de ar/água. Para otimização do resultado, foram confeccionadas moldeiras em silicone para clareamento caseiro com gel à base de peróxido de carbamida a 16% (Whiteness Perfect 16%). As orientações foram passadas verbalmente e por escrito para o paciente. Os retornos foram agendados semanalmente e após 3 semanas de uso do gel clareador um resultado satisfatório foi alcançado.

Previamente ao procedimento restaurador, movimentos excursivos da guia anterior foram realizados com o objetivo de observar o espaço permitido para as futuras restaurações.

A partir do enceramento dos elementos 12 e 22 por acréscimo, foi feita a guia de orientação em silicone. Foi realizada a proteção dos dentes adjacentes com fita teflon. O condicionamento ácido total com gel de ácido fosfórico a 37% (Condac 37, FGM) por 30 segundos foi feito em esmalte, seguido por lavagem por spray ar/água por 30 segundos. O excesso de umidade foi removido com leve jato de ar por se tratar do substrato dentário em esmalte. O sistema adesivo (Ambar, FGM) foi aplicado, seguido de fotoativação por 20 segundos.

Inicialmente, foi realizada a inserção da primeira camada de resina composta translúcida (Opallis T-Neutral, FGM) na guia de silicone, com o objetivo de simular a face palatina do dente e, em seguida, a fotopolimerização do material por 40 segundos. Após isso, a guia foi removida da boca e aplicada uma camada de resina Opallis DA1 sobre o primeiro incremento para simular a dentina, seguido por fotopolimerização por 40 segundos. Para finalização, foi aplicada uma camada de resina Opallis EA1 sobre toda a área restaurada com a finalidade de simular o esmalte vestibular, seguida de fotoativação por 40 segundos.

Para certificar a anatomia e escultura dental, foram utilizados discos de lixa Diamond Pro (FGM) e pontas de borracha simularam a textura dos dentes adjacentes. Para reproduzir estrias na superfície do esmalte, pontas diamantadas de acabamento foram utilizadas. O polimento foi realizado com disco de feltro (Diamond Flex, FGM) e pasta de polimento (Diamond Excel, FGM).

Conclusão

Um planejamento bem definido e a utilização de uma sequência correta da técnica restauradora possibilita um tratamento com resultado previsível e satisfatório. Além disso, os materiais utilizados se mostraram eficientes na execução do caso clínico.