Reabilitação oral total por meio de prótese total superior e prótese do tipo protocolo inferior

Bernardo Born Passoni, Rodrigo Melim Ferreira, Ricardo de Souza Magini, César Augusto Magalhães Benfatti.

A introdução dos implantes osseointegrados em odontologia proporcionou uma revolução nas técnicas de reabilitação de pacientes parcial ou totalmente edêntulos. No entanto, os implantes podem ser a melhor ou a pior escolha para o paciente, dependendo dos cuidados no planejamento, que deve seguir a clássica rotina: história médica e odontológica do paciente, exame clínico, modelos de estudo, enceramento diagnóstico, diagnóstico por imagem e avaliação da relação ósseo-alveolar remanescente e reabilita-ção protética. O planejamento cirúrgico é essencial para a realização de reabilitações com estética e função adequadas1. O tratamento reabilitador por meio de implantes osseointegráveis objetiva preservar a integridade das estruturas nobres intrabucais, recuperando a estética e a funcionalidade do sistema estomatognático e fonético, possibilitando uma melhor qualidade de vida aos pacientes.

Antes do surgimento da reabilitação oral através de implantes, a única opção para reabilitar um paciente edêntulo total eram as próteses totais convencionais, ou seja, muco-suportadas, as quais possuem uma limitação, representada pela perda óssea decorrente do contínuo processo de reabsorção, comprometendo a retenção e estabilidade desses aparelhos. Nesse sentido, a substituição dos dentes perdidos por meio de próteses totais consiste num problema tanto para o cirurgião-dentista quanto para o paciente, principalmente em se tratando de próteses totais inferiores. Entre as vantagens, as próteses implanto suportadas apresentam maior retenção, suporte e estabilidade, trazendo benefícios psicológicos, melhoria da função mastigatória/fonética e principalmente, um aumento da qualidade de vida deste paciente3,4.

A reabilitação de arco total através de implantes, proposta inicialmente por Branemark5 se caracterizada pela instalação de 5 implantes na região anterior da mandíbula entre os forames mentuais. No entanto, atualmente cada vez mais se trabalha com a técnica do all-on-four, buscando uma inclinação dos implantes distais, para que a eminencia da saída do parafuso protético seja o mais distal possível, diminuindo assim, o possível cantilever e consequentemente, o braço de alavanca.

O objetivo deste trabalho é apresentar um caso clínico de reabilitação oral através de prótese total superior e prótese inferior do tipo protocolo, com o novo Sistema Arcsys de implantes e componentes protéticos.

Relato de caso:

Paciente com x anos, sexo masculino, leucoderma, boa condição sistêmica, apresentou-se no consultório odontológico privado com queixa principal de dificuldade mastigatória e necessidade de reabilitação dos dentes ausentes. Durante o exame clínico observou-se que o paciente possuía apenas os elementos 13, 23 e 25, não utilizando qualquer tipo de prótese por dificuldade de adaptação (Fig 1A, 1B, 1C). Após a realização da tomografia computadorizada do cone bean, constatou-se que existia altura e espessura óssea suficiente para instalação de implantes. O planejamento reabilitador consistiu em realizar uma prótese total superior imediata e uma prótese inferior do tipo protocolo, com carga imediata, através da instalação de 4 implantes Arcsys – FGM, entre forames.

Foi realizado o planejamento reverso (moldagem, rodete de cera, reconstituição da dimensão vertical de oclusão, reconstituição fisionômica, prova de dentes) para gerar um guia cirúrgico que foi utilizado para o correto posicionamento tridimensional dos implantes. O primeiro passo cirúrgico consistiu na exodontia dos 3 elementos dentais restantes no arco superior e sutura. Logo após, foi realizada a anestesia do arco inferior e procedeu-se com a incisão com lâmina de bisturi 15C sobre a crista do rebordo.

Conclusão:

Os implantes Arcsys – FGM e seus componentes friccionais se mostraram extremamente simples e seguros de se trabalhar em próteses totais fixas (protocolo), assim como já era conhecido para próteses unitárias e parciais.

Ref:

Fischer K, Stenberg T, Hedin M, Sennerby L. Five-year results from a randomized, controlled trial on early and delayed loading of implants supporting full-arch prosthesis in the edentulous maxilla. Clin Oral Implants Res. 2008; 19 (5): 433-41.

VIANA NETO, Antônio et al. Cirurgia guiada virtual para reabilitação oral:. Cirurgia, Traumatologia Buco-maxilo-facial, Camaragibe, p.45-52, 30 maio 2009.

NOVAES LCGF, SEIXAS ZA. Prótese total sobre implante: técnicas contemporâneas e satisfação do paciente. Int J Dent. V.7 n.1: p.50-62, 2008.

BATISTA AUD, RUSSI S, ARIOLI FILHO, JN, OLIVA EA. Overdentures sobre implantes: Revisão de Literatura. Rev Bras Implantodont Prótese Implant. V.12 n.45: p. 67-73, 2005.

Brånemark PI, Hansson BO, Adell R, Breine U, Lindström J, Hallén O et al. Osseointegrated implants in the treatment of the edentulous jaw. Experience from a 10-year period. Scand J Plast Reconstr Surg Suppl 1977; 16: 1–132