Estudo “In Vitro” da Formação de Fluoreto de Cálcio e Atividade Anticariogênica de Vernizes Fluoretados Produzidos no Brasil

Doutor Maas Jrs

Dentre as formas tópicas do uso de flúor, os vernizes têm demonstrado bons resultados em relação ao controle e tratamento da doença cárie. Entretanto, a literatura é bastante escassa com relação a publicidade avaliando vernizes fluoretados produzidos no Brasil. Para tanto, foram utilizados 216 blocos de esmalte de dentes bovinos selecionados através do teste de microdureza superficial inicial. Os blocos foram divididos em 9 grupos n=12 experimentais: controle negativo (sem tratamento), controle positivo (flúor fosfato acidulado-FFA), Duraphat, Bifluorid 12, Fluorphat, Biophat, Fluorniz, Duoflorid XII e Duraflur. Após a aplicação dos materiais, os blocos foram submetidos à ciclagem de pH durante 7 dias e, na seqüência, foram realizados os testes da microdureza final, para o cálculo da porcentagem de alteração da microdureza superficial e dosagem de fluoreto de cálcio no esmalte dentário. Os resultados (ANOVA e Kruskal-Wallis) demonstraram que todos os vernizes apresentaram menor porcentagem de alteração de microdureza superficial quando comparado ao grupo controle negativo (p<0,05). O Bifluorid 12, o Duraphat, o Duraful e o Duofluorid apresentaram menores percentuais de alteração da microdureza superficial quando comparados ao FFA, sendo este igual aos vernizes Fluorniz e Biophat e, ainda, apresentando melhor desempenho que o verniz Fluorphat. Os vernizes promoveram maior deposição de fluoreto de cálcio quando comparados ao grupo controle negativo e ao FFA, com exceção dos vernizes Fluorniz e Fluorphat (p<0,05). Concluiu-se que, no Brasil, atualmente, são produzidos vernizes fluoretados que apresentam resultados tão favoráveis quanto os vernizes produzidos no exterior.

 

Fonte: Dissertação (Mestrado em Odontopediatria). Universidade Luterana do Brasil. Canoas, 2003, 115p.