Dureza Knoop de três cimentos de ionômero de vidro nacionais

FRAGNANI, L.N., URUKAWA, D.P., BONINI, G.A.V.C., POLITANO, G.T., GATTI, A.C., VILELA, C.E.M., IMPARATO, J.C.P.

Resumo:
 
O intuito desta pesquisa foi avaliar a dureza Knoop de três cimentos de ionômeros de vidro nacionais (G1: Vitro Molar – DFL, G2: Vidrion R – SS White e G3: Maxxion R – FGM, com n=10). Os materiais foram dosados e manipulados de acordo com as instruções dos fabricantes, os corpos de prova foram confeccionados em moldes de PVC, e após 10 minutos imersos em solução oleosa (Vaselina Liquida), a 37ºC por 24 horas. As superfícies foram polidas com lixa de granulação 600 (Buehler), em máquina politriz Aropol 2V (Arotec). O teste de dureza foi realizado em durômetro Pantec (digital) microhardness Tester HVS-1000) com 25g de carga e 30s, com penetrador tipo Knoop. Em cada amostra foram realizadas três indentações e repetidas após 1 semana, mantidas as mesmas condições. As médias da dureza Knoop (e desvio padrão) foram: G1: 70,81 (21,7); G2: 60,95 (22,5) e G3: 101,75 (42,3). Após análise de Variância e complementação pelo teste de Tukey, foi constatada diferença estatística somente do G3 em relação ao G1 e G2 (p<0,05). Também houve diferença na leitura em 24 horas e após 1 semana, sendo que a dureza aumentou (p<0,05). O material Maxxion R (FGM) demonstrou dureza superficial superior aos outros materiais estudados.    
Fonte:
Faculdade de odontologia São Leopoldo Mandic. E-mail: lufgragnan@hotmail.com