Avaliação da resistência de união sob teste de uma resina composta de nanopartículas à dentina humana após tratamento clareador

ARCARI, G.M.

Avaliação da resistência de união sob teste de microtração de uma resina composta de nanopartículas à dentina humana após tratamento clareador interno
 
Resumo:
 
Este estudo, in vitro, teve como objetivo avaliar a resistência de união sob teste de
microtração de uma resina composta de nanopartículas à dentina humana, após clareamento
interno com peróxido de hidrogênio associado a perborato de sódio, ou peróxido de
carbamida, ou peróxido de hidrogênio, realizado pela técnica do clareamento mediato e por
um período de tratamento de 21 dias, com diferentes tempos de espera para a realização do
tratamento restaurador, seguido da análise do tipo de fratura em microscópio eletrônico de
varredura (MEV). Pré-molares humanos superiores extraídos foram preparados na superfície
oclusal, com profundidade média em dentina, com o objetivo de simular a câmara pulpar.
Após o preparo, os dentes foram aleatoriamente divididos em quatro grupos: Grupo Controle
(não clareado) (n=9); Grupo Experimental 1 (clareado com pasta de perborato de sódio e
peróxido de hidrogênio a 30%) (n=9); Grupo Experimental 2 (clareado com gel de peróxido
de hidrogênio a 35%) (n=9); e Grupo Experimental 3 (clareado com gel de peróxido de
carbamida a 37%) (n=9). Cada grupo foi dividido também aleatoriamente em três subgrupos:
dentes restaurados imediatamente após o término do tratamento clareador (n=3); dentes
restaurados 7 dias após o término do tratamento clareador (n=3); e dentes restaurados 14 dias
após o término do tratamento clareador (n=3). Após 24h da realização da restauração
definitiva, os dentes foram seccionados 4mm abaixo da junção cemento/esmalte e a coroa
dental submetida a cortes seriais para a obtenção das amostras (filetes) para o teste de
microtração com área de secção transversa de 0,9mm2. Os filetes foram individualmente
colados a um dispositivo especial de microtração (dispositivo de Geraldeli) e adaptados a uma
máquina de ensaios universal (Instron, modelo 4444, Instron Corp., Canton, Mass., EUA). O
teste de tração foi realizado até a obtenção da fratura e cada espécime foi analisado ao
microscópio eletrônico de varredura (Philips XL-30, Philips Electric Corp.). Para o tratamento
estatístico dos dados e com o objetivo de verificar possíveis diferenças entre os grupos, foi
empregada análise de variância de dois critérios (Anova 2) (p=0,05). Os valores
demonstraram que não houve diferença estatística significativa entre os agentes clareadores
utilizados em relação a qualquer um dos tempos de espera para a realização da restauração
definitiva.
 
Fonte: Tese (Doutorado na área de concentração Dentística).Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.2005. 200f.