Avaliação da resistência aos ensaios de compressão e flexão de cinco cimentos de ionômero de vidro

BONIFÁCIO, C.C., RAGGIO, D.P., CARVALHO, R.C.R.

Resumo:
 
Os cimentos de ionômero de vidro de alta viscosidade são os materiais de eleição para o tratamento restaurador atraumático (ART). Porém, o custo dos materiais é alto, e alguns similares nacionais foram introduzidos no mercado. O objetivo deste estudo in vitro foi comparar a resistência aos ensaios de compressão e flexão de cinco cimentos de ionômero de vidro, sendo: G1-Ketac Molar (3M/ESPE); G2-Fuji IX (GC); G3-Riva (SDI); G4-Maxxion (FGM); G5-Vitro Molar (DFL). Para o teste de flexão foram confeccionados 10 corpos-de-prova (CP) com dimensões de 25 mm x 2 mm x 2 mm, (ISO9917-2) e para o teste de compressão foram confeccionados 10 CPs cilíndricos com dimensões de 6 mm (altura) e 4 mm(diâmetro). Após 24 horas em vaselina líquida a 37 ± 1°C os CPs foram submetidos aos ensaios de flexão e compressão em máquina Instron 4442, com velocidade de 1 mm/min. Foram realizados ANOVA e teste de Tukey, com 5% de significância. Em relação à resistência à flexão os grupos G1(34,5 MPa); G2 (33,3 MPa) e G4 (29,5 MPa) tiveram resultados estatisticamente semelhantes. Para o ensaio de compressão, o grupo G1 apresentou o melhor resultado (177,8 MPa), sendo semelhante ao G2 (166,6) e diferente dos demais. Os cimentos de ionômero de vidro Ketac Molar e Fuji IX obtiveram os melhores resultados em ambos os testes, sendo que para o teste de flexão o Maxxion (nacional) demonstrou resultados semelhantes.
(Apoio: FINEP)
 
Fonte: Braz Oral Res 2007;21(Suppl. 1):223-83 (Proceedings of the 24th SBPqO Annual Meeting).