Agenesia em dentes anteriores – soluções práticas

Silvio Hernandes Pardo
Graduado pela FOUSP-SP em 2011 Pós-graduação: Prótese pelo CETAO-SP em 2014 Atualização: 1- Periodontia em 2012 - Professora Zulene - AORP-Ribeirão Preto 2- Reabilitação oral em 2012 - Professor César Arita - AORP - Ribeirão Preto 3- DSD Skyn hands on - 2015 - Paulo Kano Internacional: 1- Estágio de 2 semanas em prótese avançada na UCLA em 2011 - EUA 2- Conceito, indicação e manuseio do sistema de implantes Ankylos em 2014 - Alemanha

Introdução

Pessoas que apresentam agenesias de dentes permanentes aparecem comumente em consultórios odontológicos em busca de soluções para a perda de função e perda de estética causada pela variação anatômica. Os dentes decíduos podem ainda ocupar a posição do dente permanente, mesmo com diferenças consideráveis de tamanho de raiz e de coroa clínica. Há casos em que o dente decíduo não permanece no arco dental, deixando ausências consideráveis, seja em região anteriores ou posterior. E ainda, em casos mais raros, encontramos agenesias de decíduo e de permanente na mesma região.

A ausência de função dental é causa de reabsorção óssea a longo prazo. Casos de agenesia em dentes permanentes anteriores com funções de guia, seja canino ou seja incisivo central, levam a reabsorção óssea nessas regiões. Normalmente, o paciente com agenesia de permanentes anteriores precisa usar peças removíveis por um longo período, entre a perda do dente decíduo até o final do crescimento maxilar/mandibular. Em casos de restauração de padrões anatômicos e morfológicos de função e estética adequado em regiões com agenesia de permanente, normalmente se indica um enxerto ósseo de espessura, compensando a perda óssea causada pela falta estímulo pela ausência de função. Posteriormente, conseguimos reabilitar o paciente com uso de implantes osseointegráveis e coroas de porcelana sobre os implantes, devolvendo função, estética e bem-estar.

Descrição de caso clínico

Paciente chegou a clínica com queixa de agenesias de permanentes nos elementos 12, 13 e 22, sendo que o decíduo 53 continuava em posição. Paciente realizou em outro colega enxerto de espessura na região dos elementos 12 e 13, momento em que optou pela troca de profissionais a frente do caso. Tinha uma prótese parcial removível com arco Hawley para uso social nos elementos 12 e 22, o que não o deixava satisfeito. Apresentava uma série de abfrações, principalmente em região de pré molares superiores. Tinha uma quantidade considerável de placa bacteriana, manchas e cálculos em diversas regiões dentais.

Começamos o tratamento com aplicação de evidenciador de placa bacteriana para guiar uma limpeza com jato de bicarbonato, ultrassom, pasta profilática e aplicação de flúor. Nesse momento reciclamos a instrução de higiene oral do paciente bem como fizemos moldagens das duas arcadas para confecção de provisórios para o dia da cirurgia.

O passo cirúrgico começou com a extração do elemento 53 seguido da remoção dos parafusos de fixação dos enxerto ósseo na região de 13 e 12. Foram instalados implantes ARCSYS ao nível ósseo no elemento 13 (3.8x13mm), no elemento 12 ( 3.8x9mm ) e no elemento 22 ( 3.8x13mm ) – posição do implante no elemento 22 de altíssima dificuldade técnica.  Logo em seguida foram instalados cicatrizadores e sobre eles, adaptamos provisórios em infra oclusão com a intensão de já deixar o paciente livre da prótese parcial removível que usava.

Após 4 meses instalamos postes 3x4x1mm nos elementos 12 e 22 e 3x6x1mm para o elemento 13 e fizemos a readaptação dos provisórios já com a idéia de remodelação gengival. Também fizemos moldes para realizar enceramento de 13 a 23 e assim planejar a reabilitação estética.

No atendimento seguinte fizemos preparos nos elementos 11, 21 e 23 para laminados cerâmicos, afastamento da gengiva com fios Ultradent 000 e 00 e realizamos o molde dos dentes com a transferência dos postes usando as respectivas capas de transferência em dois passos com silicone de adição Futura AD. Também confeccionamos novos provisórios com resina bisacrílica Structur A1 seguindo o enceramento para test drive da anatomia tanto dental quanto gengival.

Finalizando a parte protética, provamos as porcelanas EMAX A1 tanto sobre dentes, quanto sobre implantes. Julgando bem-sucedido esse passo, encaminhamos para o preparo das porcelanas com ácido fluorídrico, ácido fosfórico, silano e adesivo, preparo dos dentes com ácido fosfórico em áreas de esmalte e adesivo auto condicionante em toda região dos preparos dentais, preparo do componente do implante com primer metálico e adesivo. Foi usado cimento Variolink Veneer A1 para todos os elementos e fotopolimerizados seguindo as especificações do fabricante. Finalizamos com ajustes, acabamentos e polimento pós-cimentação.

Realizamos, por fim, preparo com ácido fosfórico seguido de adesivo AMBAR para confeccionar restaurações com resina Opalis A2 nas cervicais dos elementos 14, 15, 24, 25.

Conclusão

O tratamento buscando restaurar saúde, função, bem-estar social de uma pessoa que apresenta múltiplas agenesias passa por uma equipe multidisciplinar e necessita de um especial planejamento. O uso de implantes ARCSYS permitiu diminuir o tempo de espera para moldagem dos postes, fazendo com que o tratamento fosse finalizado em tempo reduzido. A instalação dos provisórios logo após o evento cirúrgico permitiu condicionamento gengival minucioso e contribuiu para alto nível estético no resultado final do tratamento. Na odontologia moderna, o uso de implantes e porcelanas de alto desempenho pode devolver a anatomia e morfologia para regiões necessitadas.