A microdureza e a permeabilidade do esmalte humano e bovino. Avaliação após clareamento dental com diferentes técnicas e da aplicação de flúor

Schiavoni, R.J. dos S.

Resumo:
Vários estudos têm buscado avaliar as características de tecidos dentais duros de espécie animal com o objetivo de substituir o uso de dentes humanos adequadamente. Além disso, alterações histoquímicas e micromorfológicas podem ser observadas em superfícies dentais submetidas ao clareamento, desencadeando sensibilidade, menor resistência ao desgaste, maior manchamento e aderência bacteriana. Uma forma de verificar a ocorrência de danos superficiais e subsuperficiais é através da microdureza e da permeabilidade. Assim, este estudo in vitro teve por objetivo comparar no esmalte dental humano e bovino a permeabilidade e a microdureza e avaliar estas alterações no esmalte dental bovino após tratamento com diferentes técnicas de aplicação do peróxido de hidrogênio a 35% (FGM). Para comparação do esmalte dental humano e bovino, foram utilizados 40 caninos humanos e 40 incisivos bovinos e na avaliação do agente clareador. Já para o estudo de clareamento, utilizou-se 150 incisivos bovinos. Em ambos os estudos as superfícies de esmalte vestibular foram delimitadas em 5×5 mm de área. Os fragmentos foram incluídos em resina de poliéster e planificados para avaliação da microdureza Knoop do esmalte inicial e após coloração histoquímica. Após, os espécimes do estudo de clareamento foram casualmente distribuídos em oito grupos (n = 15) e submetidos ao clareamento dental com peróxido de hidrogênio a 35% (FGM) – pela técnica convencional, fotoativado com o LED, fotopolimerizador ou LEDlaser seguido ou não da aplicação de flúor (Desensibilize KF 2%, FGM). Os grupos controles foram expostos: a saliva artificial e a aplicação de flúor + saliva artificial. O tratamento clareador foi realizado, de acordo com as recomendações do fabricante. No restante do período diário, os espécimes foram imersos em saliva artificial. Ao término do período experimental, os corpos-de-prova foram submetidos ao método de coloração histoquímica, para evidenciar a extensão da permeabilidade no esmalte. Da região delimitada obtiveram-se três cortes avaliados em microscopia óptica, através de um software de digitalização de imagem (Axion Vision 3.1) verificando a penetração dos íons cobre em relação à espessura total do esmalte. Não houve diferença estatística de permeabilidade e microdureza quando comparados os esmaltes dentais humanos e bovinos. Para o estudo de clareamento, os resultados demonstraram que os grupos apresentaram permeabilidade e microdureza do esmalte semelhantes entre si.

 

Referência:
Schiavoni, R.J. dos S. A microdureza e a permeabilidade do esmalte humano e bovino. Avaliação após clareamento dental com diferentes técnicas e da aplicação de flúor [dissertação de mestrado] Ribeirão Preto: Ribeirão Preto /USP. Faculdade de Odontologia. Departamento de Odontologia Restauradora. Opção Endodontia, 2007.