REPENSE SEU CONCEITO DE POLIMERIZAÇÃO.

Fotoquímica de polímeros é uma área de grande interesse na odontologia, haja visto que a fotopolimerização de materiais resinosos trouxe para o profissional o controle do tempo de trabalho durante restaurações ou cimentações adesivas. As resinas ativadas por luz visível iniciam o processo de polimerização através da absorção de luz de um fotoiniciador, que uma vez ativado reage com um agente redutor para produzir radicais livres.

A partir daí ocorre a polimerização dos monômeros metacrílicos que formam uma matriz polimérica com ligações cruzadas (Rodrigues, M.R. e Neumann, M.G., 2003). Nos materiais resinosos de uso odontológico, normalmente o fotoiniciador que irá absorver luz e conduzir à formação de espécies reativas é a canforoquinona. O espectro de absorção da canforoquinona encontra-se no intervalo de 400 a 500nm, o que demanda um equipamento fotopolimerizador que emita luz nesse comprimento de onda, na faixa do azul.

A quantidade de canforoquinona contida em um material resinoso tem relação direta na polimerização dos monômeros e consequentemente nas propriedades mecânicas do compósito formado. Porém, devido à forte coloração amarelo-alaranjada da canforoquinona, há uma significativa interferência na cor do material no qual o fotoiniciador está contido. Buscando melhorar a performance de polimerização dos seus materiais, a FGM desenvolveu um novo sistema de polimerização que potencializou componentes e permitiu reduzir drasticamente a concentração de canforoquinona. À esta nova tecnologia de polimerização foi dado o nome de APS: Advanced Polymerization System. O sistema está presente na nova linha de compósitos, cimentos e adesivos da FGM, e permite aos materiais alcançarem qualidades estéticas únicas, aumentar seu tempo de manipulação sob a luz ambiente e ainda melhorar suas propriedades mecânicas. Tecnicamente, o APS é uma combinação de diferentes fotoiniciadores que interagem entre si e permitem amplificar a capacidade de polimerização que a luz dos aparelhos fotopolimerizadores provê.

Representação da incidência de luz azul em uma resina composta com sistema fotoiniciador convencional. Percebe-se alta concentração de canforoquinona e co-iniciadores e, ao receber o estímulo da luz, ocorre a liberação de radicais livres que irão desencadear a polimerização do material.

Representação ilustrativa do APS, com baixa concentração de Canforoquinona e a adição de outros iniciadores/co-iniciadores. O resultado é um material com menor interferência pela cor da Canforoquinona e que consegue potencializar a energia proveniente do fotopolimerizador, liberando maior número de radicais livres ampliando a capacidade de polimerização.

ENTENDA A INFLUÊNCIA DO APS QUANDO
INCORPORADO NOS MATERIAIS ODONTOLÓGICOS.

BAIXA INTERFERÊNCIA
NA COR DO MATERIAL:

Diferentemente da canforoquinona, que aumenta significativamente o tom amarelado nos compósitos, o APS praticamente não possui cor e assim permite que os compósitos que o contém tenham visualmente a mesma cor antes e depois de polimerizados. Na prática, a grande vantagem é poder prever a cor final da restauração mesmo antes de fotopolimerizá-la, dispensando a tradicional prova de cor ou a necessidade de prever a perda de amarelo dos compósitos convencionais. Para demonstrar a mudança de cor de compósitos que contêm ou não APS, fez-se um experimento simples, porém esclarecedor. Uma amostra em forma de disco com 1mm de espessura foi fotografada sequencialmente em 3 estados:

A) não fotopolimerizado

B) fotopolimerizado apenas na porção superior

C) totalmente fotopolimerizado.

 

COMPÓSITO COM SISTEMA FOTOINICIADOR CONVENCIONAL
COMPÓSITO COM APS

Percebe-se que o compósito contendo APS não apresenta mudança de cor visual enquanto que o outro torna-se visivelmente mais claro.

AUMENTO NO GRAU
DE CONVERSÃO:

A combinação sinérgica de diferentes fotoiniciadores permite que o processo de polimerização dos monômeros metacrílicos ocorra de maneira mais eficiente, aumentando o grau de conversão dos polímeros formados. Para este ensaio, os adesivos foram aplicados em dentina de acordo com as recomendações de cada fabricante. Então, foram restaurados com resina composta (Opallis, FGM) e, após 24 horas de estocagem em água, foram fatiadas. Cada fatia foi polida e lavada abundantemente antes de ser levada ao aparelho que mensura o grau de conversão (espectroscopia micro-Raman). A fatia é colocada dentro do aparelho e através de uma objetiva a região da camada híbrida é centralizada para a aplicação de um laser de neon (532nm). Esta aplicação é realizada em diferentes pontos da interface. Como medida de comparação, uma gota de adesivo não polimerizado é colocado em um anteparo e o mesmo laser é aplicado para a obtenção de uma referência. As diferenças entre os picos alifático e aromáticos antes e depois da fotopolimerização são utilizados para o cálculo do grau de conversão.

Fonte: Prof. Dr. Alessandro Loguercio, UEPG (2016).

Percebe-se que o adesivo Ambar APS obteve o mais alto grau de conversão entre os materiais avaliados, com um acréscimo de mais de 10 pontos percentuais no grau de conversão se comparado ao adesivo Ambar sem APS. Quanto maior o grau de conversão, maiores as propriedades intrínsecas do material, o que no caso de um adesivo, certamente impactará em uma menor degradação da interface ao longo do tempo.

AUMENTO DO TEMPO
DE TRABALHO:

Por ser uma composição balanceada e de pouca coloração, o APS possui pouca sensibilidade à luz ambiente e assim proporciona maior tempo de manipulação e trabalho aos produtos. Isso significa que, à luz ambiente ou mesmo com à luz do refletor direcionada ao dente, o profissional terá mais tempo para esculpir restaurações, o que é muito interessante em casos que demandam alta estética.

Fonte: Dados internos, FGM (2016).

Este ensaio de calorimetria diferencial de varredura (DSC) foi realizado com a amostra exposta a uma fonte de luz com intensidade de 10.000 LUX, similar à luz emitida pelos refletores de equipamentos odontológicos. Sendo assim, este ensaio simula o tempo de trabalho que diferentes resinas apresentam quando da confecção de uma restauração na qual se usa a luz do refletor odontológico como iluminação direta.

Percebe-se no gráfico de DSC que o sistema APS proporciona para a resina Vittra APS um maior tempo de trabalho (aproximadamente 8 minutos) quando comparado a concorrentes com sistemas iniciadores convencionais. A curva menos inclinada do compósito Vittra APS indica ainda que sua reação de polimerização é bem menos intensa que a dos demais produtos, confirmando sua menor sensibilidade a esta exposição de luz.

DESCUBRA OS PRINCIPAIS BENEFÍCIOS DO APS ADICIONADO AOS PRODUTOS FGM:

O compósito de última geração da FGM não apresenta mudança de cor e opacidade perceptíveis visualmente após sua polimerização. Isso confere ao profssional um nível excelente de previsibilidade, que pode ser decisivo para escolher a cor e opacidade corretas para o caso, inclusive durante sua confecção, caso seja necessário.
Ainda, o APS contribui para incrementar as propriedades mecânicas do compósito, que superam em vários aspectos as de seus principais concorrentes.

A fidelidade de cor de um agente cimentante é uma característica muito importante para essa classe de materiais, particularmente se considerarmos lâminas muito finas como facetas ou lentes de contato cerâmicas. A incorporação de APS no cimento Allcem Veneer permite que a mudança de cor antes/após fotopolimerização seja praticamente imperceptível, o que provê maior segurança no momento da cimentação, já que o profissional saberá, ainda antes de cimentar definitivamente a peça, como esta irá se combinar com a cor do cimento.

Além da marcante capacidade adesiva pela presença do MDP, o Ambar APS apresenta imperceptível interferência na cor da camada adesiva. A exclusiva tecnologia APS também confere um aumento do grau de conversão, gerando um polímero ainda mais resistente.

Figuras 6a a 6c: gotas de Ambar APS (6a) e concorrentes sem APS (6b e 6c). Note que o sistema APS é capaz de tornar o adesivo praticamente incolor, com mínima interferência na cor durante a restauração ou cimentação

GOSTOU DO SISTEMA?